O sábado como sinal de salvação e redenção

Razões bíblicas para observarmos o sábado

Enquanto o plano de salvação avança, nos aproximamos do desfecho da história deste planeta. A humanidade ficará dividida em dois grupos definidos: os que adoram a Deus e recebem Seu selo; e os que adoram a besta e recebem sua marca. Deus revelou por meio de Seus profetas que tudo girará em torno da adoração. Pouco antes de Jesus voltar, Deus forma Seu povo, após um desapontamento, para anunciar ao mundo três solenes mensagens: os últimos três chamados de amor e libertação de Jesus à humanidade (Ap 14:6-12).

A primeira mensagem contém as boas-novas de que chegou a hora do juízo, que podemos confiar em Deus e que Ele fará justiça e corrigirá todas as coisas. Deus há de vindicar diante do Universo a acusação acerca de Seu próprio caráter, mostrando que é justiça e amor. Esse juízo, por sua vez, declara inocentes os filhos e herdeiros do reino eterno. Essa mensagem é também um chamado à humanidade para retornar à adoração do seu Criador. A segunda mensagem é um chamado urgente para se sair de Babilônia – um mesclado de verdade e erro – e para se regressar à verdade bíblica, como a ensinaram Jesus e os apóstolos. A terceira mensagem é uma clara advertência para não seja recebida a marca da besta em vez do selo de libertação de Deus.

É aqui que o sábado ganha relevância universal e se situa no turbilhão do grande conflito. No Céu, Lúcifer desafiou a autoridade de Deus e quis ocupar Seu trono para ser adorado (Is 14:13). Devido ao seu fracasso, desencadeou uma guerra no Céu e ele foi expulso (Ap 12:17). Mais tarde, ao reclamar o principado que Adão e Eva inocentemente lhe transmitiram, teve a audácia de tentar o Criador para que Se inclinasse diante dele em adoração (Mt 4:8-10). Não satisfeito, o anjo caído continua exigindo adoração e está decidido a apagar da mente dos seres humanos tudo que indique Deus como Criador e o único Ser que merece adoração.

O sábado, essa parte de tempo da eternidade, é um filete de ouro de esperança que atravessa como uma flecha o parêntese de seis mil anos de pecado em que vive nosso mundo. Em sua sabedoria, Deus separou uma parte do tempo para lembrarmos: (1) nossa origem e propósito – saímos das mãos do Criador para vivermos para sempre; (2) nossa redenção – o descanso e a salvação em Cristo, que nos liberta da escravidão do pecado; (3) a nova Terra – o descanso eterno e o novo Éden que logo Ele dará a Seus filhos quando Jesus regressar.

A Bíblia é a história de um Deus de amor que busca Suas criaturas errantes com as quais deseja compartilhar a eternidade. Um exemplo claro do profundo significado do sábado como símbolo de salvação e redenção é a forma como Deus Se manifestou ao povo de Israel desde sua origem. Quando a carga era insuportável e estavam oprimidos debaixo da humilhante escravidão, Deus não Se esqueceu deles, mas os chamou para descansar e ser os agentes de uma mensagem de descanso para o mundo. Uma das primeiras coisas que Deus fez foi lhes entregar pessoalmente Sua eterna Lei de amor, reflexo de Seu caráter. Dessa forma, Ele delimitou o terreno em que deseja que Seus filhos vivam – um lugar onde há paz, segurança e salvação (Sl 119:165).

A Lei não salva, quem salva é Jesus Cristo. Mas a Lei protege o que Cristo salva. Qualquer lugar, além desses limites, é terreno do inimigo, é pecado, condenação e morte. A Lei de Deus, e, em especial o sábado, é uma garantia imutável do quanto Deus ama e Se interessa por Suas criaturas. É fascinante ler as duas versões da Lei de Deus, especialmente o quarto mandamento, e as razões pelas quais Deus deseja que o observemos. A primeira versão, no livro de Êxodo, diz: “Porque, em seis dias, fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o Senhor abençoou o dia de sábado e o santificou” (Êx 20:11). A razão básica do mandamento é que o sábado é um memorial de Seu poder criador e foi separado para uso santo. Somente Ele merece adoração.

A segunda versão está no livro de Deuteronômio: “Porque te lembrarás que foste servo na terra do Egito e que o Senhor, teu Deus, te tirou dali com mão poderosa e braço estendido; pelo que o Senhor, teu Deus, te ordenou que guardasses o dia de sábado” (Dt 5:15). A razão adicional é que Deus tem um plano concreto para nos salvar da escravidão do pecado. E isso é o que Ele fez ao enviar Seu Filho. Daí, o sábado, além de ser um memorial, sinal ou selo de que Deus nos redime e salva (Ez 20:12, 20), é também uma garantia de que Deus vai restaurar ao estado original nossa vida e o Universo.

Para isso, Ele chamou Seu povo, Israel, para que fosse a luz do mundo e apresentasse o plano de salvação e resgate (Is 60:1-3). Porém, quando Israel rejeitou Seu Criador, Deus formou o Israel espiritual, renovando Seu pacto eterno sob as mesmas promessas, prometendo gravar Sua verdade e princípios eternos no coração e mente de homens e mulheres (Hb 8:9-11).

Dessa maneira, o sábado se torna o vínculo que nos permite adorar o Criador e Redentor agora e, continuamente, pela eternidade. Esse dia é um sinal e memorial de que Ele é nosso Criador e somos Suas criaturas. Uma garantia de que o parêntese do pecado terminará e o plano original de Deus nunca mais poderá ser alterado.

Adorar ao Criador em Seu santo dia é entrar na atmosfera divina de Sua bênção, repouso e santificação – os três presentes dados no princípio. É aceitar o descanso e a libertação do pecado obtida por Cristo na cruz e pelo que Ele está fazendo agora através do ministério intercessor no santuário celestial. Além disso, guardar o sábado significa participar antecipadamente das delícias da eternidade com nosso Criador, Redentor, Intercessor e Rei (Is 58:13, 14).

Os primeiros três capítulos da Bíblia nos mostram que perdemos tudo por escutar a voz da serpente que enganou e nos sequestrou. Perdemos a felicidade, a saúde, as riquezas do Éden, a inocência e a vida eterna. Tornamo-nos escravos. Deus, em Seu infinito amor, enviou Seu Filho em pessoa (Jo 3:16) para recuperar nossa liberdade e para que pudéssemos escolher viver para sempre. Nos últimos capítulos da Bíblia, encontramos o triunfo dos filhos de Deus. Teremos aprendido por experiência que o único caminho seguro é escutar somente a voz do Criador. E, por haver escutado Sua voz e a obedecido, receberemos com acréscimo tudo o que perdemos no começo (Ap 21:1-7). O plano de Deus não mudou. Essas são as boas novas!

Publicado originalmente em Revista Ministério, 2° Trimestre 2010, pág. 09-10

About these ads

Sobre IASD Andradina

Blog do Distrito de Andradina da Igreja Adventista do Sétimo Dia.
Esse post foi publicado em Adventismo, Crenças Fundamentais, Discipulado, Missão e Evangelismo, Nossa Herança, Sábado, Sermões e Devocionais e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s